Provérbios em português: provérbios portugueses

Em Estudamos português estudamos também os provérbios em português, pesquisando na teia de aranha de amplitude mundial.

WikiWikiquote é um sítio dedicado ás citações, com uma categoria específica para Provérbios, com uma página para Provérbios em português, outra para Provérbios brasileiros e outra para Provérbios africanos.
Site_QuenteSite Quente é um sítio dedicado ás frases, com uma secção específica para Provérbios, com uma página para Provérbios portugueses, outra para Provérbios brasileiros e outra para Provérbios africanos.

Nestes dois sítios, selecionamos mais de 800 provérbios em português, dos quais 572 estão classificados como portugueses, 137 como brasileiros e 97 como africanos.  Provávelmente a classificação é discutível, mas o importante é a seleção de provérbios.

A seguir, os provérbios portugueses:

  • “A água é tão útil às plantas como o alimento aos animais.”
  • “A água salobra, na terra seca, é doce.”
  • “A ambição, assim como a cólera, é muito má conselheira.”
  • “A amenidade no semblante, anuncia a bondade do coração.”
  • “A amizade não se adquire, senão pela amizade.”
  • “A aversão é para o coração, o que a prevenção é para o espírito.”
  • “A beleza não se põe na mesa, mas eu não como no chão.”
  • “A boa fé é uma moeda, que quase não tem curso no comércio da vida.”
  • “A boa ventura de uns, ajuda aos outros.”
  • “À boca da barra, se perde o navio.”
  • “A boca não admite fiador.”
  • “À boda do ferreiro, cada um com o seu dinheiro.”
  • “A bom entendedor, meia palavra basta.”
  • “A cabeça não se fez só para usar chapéu.”
  • “A cavalo roedor, cabresto curto.”
  • “A chave do almoço é um bocado de pão e, a da zaragata é uma palavra.”
  • “A criança é com os arbustosinhos; também precisa de um arrimo.”
  • “A culpa morre solteira.”
  • “A demasiada boa-fé é sinónimo de imbecilidade.”
  • “A fatalidade é cega.”
  • “A fome é o melhor tempero.”
  • “A fortuna ajuda os atrevidos, mas também, muita vez, os abandona.”
  • “A galinha da minha vizinha é mais gorda que a minha”
  • “A grandes cautelas, cautelas maiores.”
  • “A humildade só é virtude quando não revela fraqueza.”
  • “A ignorância força-nos a fazer duas vezes o mesmo caminho.”
  • “A lei é poderosa mas, mais poderosa é a necessidade.”
  • “A lição dos exemplos instrui muito mais, que a dos preceitos.”
  • “A lisonja é incompatível com a nobreza de carácter.”
  • “A lua trinta, como quinta, quando o sétimo ou nono não desminta.”
  • “A maior miséria é aquela que vem da preguiça.”
  • “A maior virtude dos que falam é calar o que não devem dizer.”
  • “A majestade e a amizade são quase sempre incompatíveis.”
  • “A mão que embala o berço, dirige o mundo.”
  • “À medida que se estende a experiência, aumenta-se a inteligência.”
  • “A melhor defesa é o ataque.”
  • “A melhor mostarda é a fome.”
  • “A mocidade é temerária presume muito e sabe pouco.”
  • “À mulher de César não basta parecer.”
  • “A necessidade é mestra de engenhos.”
  • “A ninguém amaria, quem a si não amasse.”
  • “A ninguém contenta, quem de nada está contente.”
  • “A ociosidade é a mãe de todos os vícios.”
  • “A palavras loucas, orelhas moucas.”
  • “A panela, pelo soar; o homem, pelo falar – conhecem-se.”
  • “A pena e a tinta, são as melhores testemunhas.”
  • “A pena é coxa, mas chega.”
  • “A presunção é a mãe de todas as asneiras.”
  • “A previdência vence os maus acontecimentos.”
  • “A raposa tanto vai ao ninho, que um dia deixa o focinho.”
  • “A sorte protege os audazes.”
  • “À terra onde fores ter, faz como vires fazer.”
  • “A verdade gera ódio.”
  • “A verdade na arte é apenas a sinceridade das impressões do artista.”
  • “A vida humana sem religião, é viagem sem roteiro.”
  • “A vingança é um prato que se serve frio.”
  • “Abrir a alma à ambição, é fecha-la ao sossego.”
  • “Águas passadas não movem moinhos.”
  • “Águas verdadeiras, pelo São João as primeiras.”
  • “Alegria, Entrudo, que amanhã será Cinzas.”
  • “Amanhã será, far-nos-á Deus mercê.”
  • “Amarra a boia e vai a nado.”
  • “Albarda-se o burro à vontade do dono.”
  • “Amigos, amigos, negócios à parte.”
  • “Amigo diligente é melhor que parente.”
  • “Amigo não empata amigo.”
  • “Amigos que desaparecem, esquecem.”
  • “Amor com amor se paga.”
  • “Amor não enche a barriga.”
  • “Antes de tudo julgar, é necessário conhecer.”
  • “Antes não começar, que não acabar.”
  • “Antes pouco, honrado, que muito, roubado.”
  • “Antes quero asno que me leve do que cavalo que me derrube.”
  • “Antes só que, em casa, ouvindo a miúdo, a mulher a implicar com tudo.”
  • “Antes tarde do que nunca.”
  • “Ao luar de Janeiro, se conta o dinheiro.”
  • “Ao manhoso, não descubras teu feito.”
  • “Ao menino e ao borracho põe-lhes Deus a mão por baixo.”
  • “Apanha-se mais depressa um mentiroso do que um coxo.”
  • “As multidões sempre estão nos extremos: quando não tremem, ameaçam.”
  • “As palavras voam, os escritos ficam.”
  • “Asno com oiro, tudo alcança.”
  • “Assás é de pouco saber quem se mata pelo que não pode haver.”
  • “Assim como vive o Rei, vivem os vassalos.”
  • “Até à morte, pé forte.”
  • “Baleias no canal, terás temporal.”
  • “Barcos virão, novas trarão.”
  • “Barriga cheia cara alegre.”
  • “Barriga cheia, companhia desfeita.”
  • “Bem lavrar, bem semear.”
  • “Bem mal ceia quem come de mão alheia.”
  • “Bem prega frei Tomás, fazei o que ele diz e não o que ele faz.”
  • “Bem saber e bem querer, muito importam para bem viver.”
  • “Bem toucada, não há mulher feia.”
  • “Besteiro torto, atira aos pés e dá no rosto.”
  • “Boa amizade, segundo parentesco.”
  • “Boa é a truta, bom é o sável, bom é o salmão – quando da sazão.”
  • “Boa noite após mau tempo, traz depressa chuva ou vento.”
  • “Boas palavras e maus feitos, enganam sisudos e néscios.”
  • “Boi velho gosta de erva tenra.”
  • “Bolsa leve, coração pesado.”
  • “Bom serás, sem morto estás.”
  • “Bom tempo no Inverno e mau no estio – mau ano de fome, bom ano de frio.”
  • “Branca geada, mensageira de água.”
  • “Cabeças loucas, orelhas moucas.”
  • “Cada um com cada qual.”
  • “Cada qual sentirá seu mal.”
  • “Cada terra com seu uso, cada roca com seu fuso.”
  • “Cada um é filho de seu pai.”
  • “Cada um sabe de si.”
  • “Calcanhar de homem, cu de mulher e nariz de cão só aquecem no Verão.”
  • “Caldo sem pão, só no inferno o dão.”
  • “Candeia que vai à frente alumia duas vezes.”
  • “Carne sem osso, proveito sem trabalho.”
  • “Casa varrida e mesa posta, hóspedes espera.”
  • “Castiga-se a arrogância, dando-lhe as costas.”
  • “Castiga-se o enfatuado, não se lhe dando importância.”
  • “Cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.”
  • “Cavalga, para não cair.”
  • “Cego é quem vê por entre fios de seda.”
  • “Cesteiro que faz um cesto faz um cento.”
  • “Chuva miúda e neve aturada, são bom alimento de terra lavrada.”
  • “Com açúcar e com mel, até pedras sabem bem.”
  • “Com má gente, é remédio muita gente de permeio.”
  • “Com vento alimpam os trigos; e, os vícios, com castigo.”
  • “Como te fizer teu compadre, assim lhe faz.”
  • “Compreender e compadecer-se, é todo o segredo da bondade.”
  • “Confia, mas reserva-te.”
  • “Confiamos menos nos homens, à medida que mais os praticamos.”
  • “Conserva-se o lume, debaixo da cinza.”
  • “Convida, se não queres constranger; dirige, se não podes ordenar.”
  • “Cria fama e deita-te na cama.”
  • “Coube sempre o melhor quinhão, a quem mais força teve, e não razão.”
  • “Cumpre depressa, quem promete devagar.”
  • “Da Espanha vêm maus ventos e maus casamentos.”
  • “Da flor de Janeiro, ninguém enche o celeiro”
  • “Da minha galinha, a postura é minha.”
  • “Da noz, o figo é bom amigo.”
  • “De fartas ceias estão as sepulturas cheias.”
  • “De pequenino se constrói o destino.”
  • “De santo e de louco todos temos um pouco.”
  • “De tal gente, tal semente.”
  • “Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer.”
  • “Depois de fartos, não faltam pratos”
  • “Depois do mal feito, todos o tinham previsto.”
  • “Depressa e bem há pouco quem.”
  • “Deus me dê paciência e um paninho para a embrulhar.”
  • “Devemos dar, como queremos receber.”
  • “Discutamos muitas vezes, mas não disputemos nunca.”
  • “Dispensa argúcias a defesa da boa causa.”
  • “Dividir para reinar.”
  • “Do alto cai quem alto sobe.”
  • “Do fogo te guardarás, e do mau homem não poderás.”
  • “Dois olhos vêem mais do que um só.”
  • “Dois sóis não cabem no mundo.”
  • “Dos Santos ao Natal, é bom chover e melhor nevar.”
  • “Dura pouco, quando dura, o que pouco custou a alcançar.”
  • “Duro com duro não faz bom muro.”
  • “É mais abjecto que o miserável, quem lhe insulta a desgraça.”
  • “É muito fácil ser soberbo; dificílimo ser humilde.”
  • “É sempre feliz e abastado quem dá útil emprego ao seu tempo.”
  • “É trabalhando que o homem vai subindo.”
  • “El-Rei vai onde pode e não onde quer.”
  • “Em casa bem regrada: ao meio-dia a olha; à noite a salada.”
  • “Em casa de vilão, não há gato nem cão.”
  • “Em desterro, dá a pobreza mais tormento.”
  • “Em Dezembro, a uma lebre, galgos cento.”
  • “Em dia de S. Lourenço, vai à vinha e enche o lenço.”
  • “Em Janeiro, sete capelos e um sombreiro.”
  • “Em Janeiro sobe ao outeiro. Se vires verdejar, põe-te a chorar; se vires terrear, põe-te a cantar.”
  • “Em lágrimas a dor se irá sumir.”
  • “Em Julho fazer vasculho.”
  • “Em Outubro pega tudo.”
  • “Em questões de amor e bravura, os que mais roncam são os que menos fazem.”
  • “Em tempo de guerra, qualquer buraco é trincheira.”
  • “Embriagar-se, é enlouquecer por gosto.”
  • “Enganaste-me uma vez, nunca mais me enganarás.”
  • “Erva ruim, não a queima a geada.”
  • “Existir, é sofrer.”
  • “Exagero é acreditar todos e, erro, não acreditar ninguém.”
  • “Fala, para que eu te conheça.”
  • “Faz contas com a hóspeda e verás o que te fica.”
  • “Faz o bem não olhes a quem.”
  • “Faz o que deves, e sê o que podes.”
  • “Ferro que não se usa, gasta-o a ferrugem.”
  • “Fevereiro é o mês mais curto e menos cortês.”
  • “Fevereiro quente traz o diabo no ventre.”
  • “Fia-te na Virgem e não corras.”
  • “Filho de peixe sabe nadar.”
  • “Filho és, pai serás. Como o fizeres, assim o acharás.”
  • “Força física é a lei do bruto.”
  • “Gato escaldado de água fria tem medo”
  • “Gastos demasiados, caminho de miséria.”
  • “Goza se podes; sofre se deves; mas esquece a dor e revive o prazer.”
  • “Grandes peixes, pescam-se em grandes rios.”
  • “Grão a grão enche a galinha o papo.”
  • “Guarda o que não presta, que encontrarás o que te é preciso.”
  • “Guarda que comer e não guardes que fazer.”
  • “Guardado está o bocado para quem o há-de comer.”
  • “Guarda-te do tolo, se tens algum miolo.”
  • “Há instrução demasiada, mas a educação é sempre pouca.”
  • “Há ocasiões em que o coração vê melhor que os olhos.”
  • “Há mais marés que marinheiros.”
  • “Há violências que só violentam a quem as faz.”
  • “Haja fartura, que a fome ninguém atura.”
  • “Homem pequenino, ou sacana ou bailarino.”
  • “Homem prevenido vale por dois.”
  • “Ignora as causas, quem se pasma dos efeitos.”
  • “Jantar tarde e cear cedo tiram a merenda de permeio.”
  • “Jejuai galegos, que não há pão cozido.”
  • “Julga mal, em muitos casos, quem julga os outros por si.”
  • “Julgam os namorados que todos têm os olhos fechados.”
  • “Juramentos de amor, juramentos de um dia.”
  • “Ladrão não rouba a ladrão.”
  • “Lembra aos rapazes o que ao diabo esquece.”
  • “Lenha verde pouco acende e quem muito dorme pouco aprende.”
  • “Língua comprida, mentira maior.”
  • “Lisboa é praça de armas, Coimbra dos estudantes, Porto dos mercadores, Vila Real dos amantes.”
  • “Lobo faminto não tem assento.”
  • “Lugar ventoso, lugar sem repouso.”
  • “Má é a obra, se a sua publicidade nos envergonha.”
  • “Mãe só há uma.”
  • “Mais alto é aquele que mais tem.”
  • “Mais do que o dado, vale a maneira de o dar.”
  • “Mais vale agradecer com a verdade, que ofender com a lisonja.”
  • “Mais vale o calar do mundo, que o falar do mentiroso.”
  • “Mais vale o sim tardio, que o não vazio.”
  • “Mais vale pão duro, que nenhum.”
  • “Mais vale quem Deus ajuda do que quem cedo madruga.”
  • “Mais vale só que mal acompanhado.”
  • “Mais vale um gosto do que seis vinténs.”
  • “Mais vale um que bem mande do que dois que mal façam.”
  • “Mais vale uma vista do dono, que cem brados do abegão.”
  • “Mais vale verde no meu papo, que maduro no papo alheio.”
  • “Mal de muitos consolo é.”
  • “Mal fechado, mal guardado.”
  • “Mal se dói o farto, do faminto.”
  • “Manda e faz, servido serás.”
  • “Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”
  • “Manhã de névoa, tarde de sesta”.
  • “Manhã de nevoeiro, tarde de calmeiro”.
  • “Mãos generosas, mãos poderosas.”
  • “Março, marçagão, manhã de inverno, tarde de verão.”
  • “Março marçagão: pela manhã, cara de anjo; à noite, cara de ladrão.”
  • “Medra o trigo debaixo da neve como o carneiro debaixo da pele.”
  • “Melhor é o meu, que o nosso.”
  • “Melhor prevenir que remediar.”
  • “Mente quem dá com a lingua no dente.”
  • “Mentir nem zombando.”
  • “Meus filhos em casa, tudo se abrasa.”
  • “Mocidade ociosa traz velhice vergonhosa.”
  • “Moço desprevenido, será velho arrependido.”
  • “Morrer e pagar quanto mais tarde melhor.”
  • “Muito e mal, é geral; muito e bem, há pouco quem.”
  • “Muito falar, pouco acertar.”
  • “Muito faremos e muito diremos, mas mal vai o barco sem rumo.”
  • “Muitos comandantes levam o navio pela encosta acima.”
  • “Mulher de janela, amora de estrada.”
  • “Mulher que a dois ama, a ambos engana.”
  • “Mulher que nas juras de homem se fia, chora de noite e de dia.”
  • “Mulher séria não tem ouvidos.”
  • “Na boda dos pobres, tudo são vozes.”
  • “Na confiança está o perigo.”
  • “Na desconfiança, é que está a segurança.”
  • “Na noite involta, pesca o pescador.”
  • “Na variedade é que está o bom gosto.”
  • “Nada é mais incompatível com o estudo, do que o sono e o cansaço.”
  • “Nada é tão bem empregado, como aquilo que se dá aos que precisam.”
  • “Nada há mais difícil em tudo, que o bem começar.”
  • “Nada há mais importuno que os cumprimentos, quando são excessivos.”
  • “Nada há tão contagioso, como o medo.”
  • “Nada se dá com tanta liberalidade como os conselhos.”
  • “Não crie cão, quem não lhe sobeje pão.”
  • “Não deixe escapar camarão pela rede.”
  • “Não desespera quem já nada espera, porque já não tem inquietações.”
  • “Não é em pia grande que o porco come à vontade.”
  • “Não é pobre o que tem pouco, senão o que cobiça muito.”
  • “Não é vilão o da vila, senão o que faz vilania.”
  • “Não está sempre na mão de cada um o ser feliz, mas está o merece-lo.”
  • “Não faças nada, sem consultar a almofada.”
  • “Não fales como doente, nem mores entre vil gente.”
  • “Não gozes com o mal do teu vizinho, porque o teu vem a caminho.”
  • “Não há cabeça a que não falte a carapuça.”
  • “Não há cabeças mais duras, que as cabeças vazias.”
  • “Não há dia sem tarde.”
  • “Não há filho que avalie quanto deve ao pai.”
  • “Não há fome que não dê em fartura.”
  • “Não há livro tão ruim, que não tenha alguma coisa boa.”
  • “Não há mais bronze, que anos onze.”
  • “Não há mal que sempre dure nem bem que não acabe.”
  • “Não há manjar que não enfastie, nem vício que não enfade.”
  • “Não há nada mais barato, do que aquilo que se compra.”
  • “Não há nada tão forte, a que não derrube a morte.”
  • “Não há nada, por mais antigo que seja, que não fosse já novo.”
  • “Não há regra que não falhe.”
  • “Não há regra sem exepção.”
  • “Não medram galinhas onde a raposa mora.”
  • “Não metas a mão em prato onde te fiquem as unhas.”
  • “Não metas dinheiro em saco, sem veres se tem buraco.”
  • “Não negues o louvor, senão a que o pedir.”
  • “Não morde a abelha, senão a quem trata com ela.”
  • “Não peças a quem pediu, nem sirvas a quem serviu.”
  • “Não ponhas dúvidas, nem faças contendas sem que saibas a quem te diriges.”
  • “Não se arrancando a silveira, padece a videira.”
  • “Não se deseja, o que o olhar não veja.”
  • “Não se deve despir um santo para vestir outro.”
  • “Não sou rio, para não voltar atraz.”
  • “Não vos apresseis a fazer amigos, nem a deixar os antigos.”
  • “Nas costas dos outros vejo as minhas.”
  • “Nas empresas arrojadas, o êxito depende do primeiro impulso.”
  • “Negra é a ceia em casa alheia.”
  • “Nem de cada malha peixe, nem de cada mata feixe.”
  • “Nem sempre galinha, nem sempre rainha.”
  • “Nem só de pão vive o homem.”
  • “Nem sobejo, nem minguado.”
  • “Nem todos os dias morrem bispos.”
  • “Ninguém aponte as faltas alheias com o dedo sujo.”
  • “Ninguém é bom juiz (nem mau advogado), em causa própria.”
  • “Ninguém é mais fácil de enganar, que aquele que não engana ninguém.”
  • “Ninguém é profeta na sua terra.”
  • “Ninguém fala que não tenha que se lhe diga.”
  • “Ninguém seria vendeiro, se não fosse o dinheiro.”
  • “No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho.”
  • “No poupar é que está o ganho.”
  • “No velho e no menino, o ofício é perdida.”
  • “Nunca desprezes as dádivas de hoje pelas promessas de amanhã.”
  • “Nunca digas desta água não beberei.”
  • “Nunca mostres o fundo, nem da bolsa, nem da alma.”
  • “Nunca se agradece com tanto fervor, como quando se espera um novo favor.”
  • “O amor não tem lei.”
  • “O ar que cada um se quer dar, não vale o que procura deixar.”
  • “O avarento não tem, e o pródigo não terá.”
  • “O avarento, onde tem o tesouro, tem o entendimento.”
  • “O avarento, por um real, perde um cento.”
  • “O bom e o bem, nunca enfadam.”
  • “O bom homem goza o fruto de o ser.”
  • “O caldo em quente, a injúria em frio.”
  • “O cantar bem é de poucos.”
  • “O ciúme nasce sempre com o amor; mas não morre sempre com ele.”
  • “O desconfiado convida a ser traído.”
  • “O diligente ganha a sua vida: o preguiçoso, rouba-a.”
  • “O dinheiro fala todas as línguas.”
  • “O enfatuado é um tolo, que os tolos reputam sábio.”
  • “O filho que amargura os pais jamais conta com ventura.”
  • “O homem ande sempre com tento, e a mulher não lhe toque o vento.”
  • “O homem honrado não se autoriza com as opiniões do patife.”
  • “O homem mais independente é, ainda, escravo do ar que respira.”
  • “O homem não é infeliz enquanto não é injusto.”
  • “O homem queremos ver, que os vestidos são de lã.”
  • “O homem só é absolutamente pobre, quando já não pode trabalhar.”
  • “O ignorante é sempre presunçoso.”
  • “O indiscreto tem sempre motivo para se arrepender daquilo que diz.”
  • “O lobo, com a goela cheia, não morde.”
  • “O linho apurado, dá lenço dobrado.”
  • “O magnânimo tem por sua a honra dos seus.”
  • “O maior revés nada vale, quando a honra fica de pé.”
  • “O mais difícil de curar é aquele que tem a aparência do bem.”
  • “O mal alheio não pesa a quem o não tem.”
  • “O mal do meu burrinho, ensina o meu vizinho.”
  • “O mau crê nas maldades, e o bom, nas virtudes.”
  • “O moço oficial, faça o que lhe mandam, e não fará mal.”
  • “O mundo é um caleidoscópio; cada qual o vê conforme o agita.”
  • “O necessário, aproveita-o; o desnecessário, enjeita-o.”
  • “O ocioso para nada vive.”
  • “O ódio dos maus, honra o homem de bem.”
  • “O olho do dono é que engorda o cavalo.”
  • “O pai impertinente, faz o filho desobediente.”
  • “O preto no branco, fala como gente.”
  • “O prevenido procede seguro.”
  • “O que não tem solução, solucionado está.”
  • “O ridículo desonra mais que a desonra.”
  • “O rio passado, o santo não lembrado.”
  • “O segredo é a alma do negócio.”
  • “O seguro morreu de velho e a previdência foi ao enterro.”
  • “O sisudo ata o saber à estaca.”
  • “O tempo dá remédio, onde falta o conselho.”
  • “O tempo é o melhor juiz de todas as coisas.”
  • “O tempo que vai não volta.”
  • “O trabalho dá saúde.”
  • “O trabalho paga dividas.”
  • “Obedece e saberás mandar.”
  • “Bem prega frei Tomás, fazei o que ele diz e não o que ele faz.”
  • “Olhos que não veem, olhos que não pecam.”
  • “Onde a cólera há semeado, faz o arrependimento a colheita.”
  • “Onde a desconfiança começa, aí acaba a amizade.”
  • “Onde alhos há, vinho haverá.”
  • “Onde choram, não cantes.”
  • “Onde entra o beber, sai o saber.”
  • “Onde há filhos, não há parentes nem amigos.”
  • “Não há fumo sem fogo.”
  • “Os anos não fazem sábios, fazem velhos.”
  • “Os bons conselhos desprezados, são depois, com dor, comemorados.”
  • “Os cegos por ambição ainda veem menos, que os cegos por nascimento.”
  • “Os conselhos que damos aos outros, devemos tomá-los para nós.”
  • “Os homens que não se vingam, são sempre os mais vingados.”
  • “Os tímidos roubam-se a si mesmo.”
  • “Ossos do ofício, que o não há sem ossos.”
  • “Ouro é o que ouro vale.”
  • “Ovelha que barrega, é bocada que perde.”
  • “Para a missa e para o moinho não esperes pelo teu vizinho.”
  • “Para amigo íntimo, basta um, colhido na adversidade.”
  • “Para baixo, todos os santos ajudam.”
  • “Para bem tagarelar, basta o arrojo.”
  • “Para caçador novo, cão velho.”
  • “Para conhecer os homens, é preciso ter sofrido.”
  • “Para ganhar, até o ferro nada.”
  • “Para lá do Marão, mandam os que lá estão.”
  • “Para o bom obreiro não há má ferramenta.”
  • “Para quem sabe ler um pingo é letra.”
  • “Patrão fora, dia santo na loja”
  • “Pedra sobre pedra, às vezes chega.”
  • “Pelos amores novos, esquecem-se os velhos.”
  • “Pelos maus, pagam os bons.”
  • “Pequenos descuidos produzem grandes males.”
  • “Perdendo tempo não se ganha dinheiro.”
  • “Perdi a roca e o fuso não acho; três dias há que lhes ando no rastro.”
  • “Peso e medida, tiram o homem de fadiga.”
  • “P’lo S. Simão e S. Judas, já colhidas são as uvas.”
  • “P’lo Santiago, pinta o bago.”
  • “Porfia mata veado, e não besteiro cansado.”
  • “Pouco sabe, quem muito se ufana de saber.”
  • “Pragas com razão, nem ao meu cão.”
  • “Pregar no deserto, é sermão perdido.”
  • “Presunção e água benta cada um toma a que quer.”
  • “Primeiro de Maio, corre o lobo e o veado.”
  • “Quando a causa está quase de todo perdida, deve-se tudo arriscar.”
  • “Quando Deus não quer, santos não rogam.”
  • “Quando Deus quer, água fria é remédio.”
  • “Quando não chove em Fevereiro, nem bom pão nem bom lameiro.”
  • “Quando não faz vento, faz bom tempo.”
  • “Quando o gato sai de casa os ratos passeiam.”
  • “Quando o lobo vai por seu pé, não come o que quer.”
  • “Quando se faz uma panela faz-se um testo para ela.”
  • “Quando tudo é interessante, coisa alguma interessa.”
  • “Quando um burro fala, os outros baixam as orelhas.”
  • “Quando vires as barbas do teu vizinho a arder põe as tuas de molho.”
  • “Quanto maior é a nau, maior é a tormenta.”
  • “Quanto mais alto se sobe pior é a queda.”
  • “Quanto mais se semeia em desejos, menos se colhe em felicidade.”
  • “Quanto mais te agachas mais o rabo se vê.”
  • “Quanto mais te dão, mais teus amigos são.”
  • “Quem o feio ama, bonito lhe parece”
  • “Quem boa ou má cama fizer, nela se deitará.”
  • “Quem cala, vence.”
  • “Quem comeu a carne que roa os ossos.”
  • “Quem come pouco, muito aproveita.”
  • “Quem conta um conto, acrescenta um ponto”
  • “Quem dá e torna a tirar, ao inferno vai parar.”
  • “Quem dá o que pode, a mais não é obrigado.”
  • “Quem dá o que tem, a pedir vem.”
  • “Quem diz a verdade, não merece castigo.”
  • “Quem empresta ao amigo arranja um inimigo.”
  • “Quem espera desespera.”
  • “Quem fala muito, dá bom dia a cavalo.”
  • “Quem faz de si, lixo, pisam-no as galinhas.”
  • “Quem faz o pino, vê o mundo mais direito.”
  • “Quem foge do trabalho, foge do ganho.”
  • “Quem gasta sem fazer contas, arruína-se sem dar por isso.”
  • “Quem junta para si, poupa para os outros.”
  • “Quem mais mete na barca, mais saca.”
  • “Quem mais não pode, de sua mazela morre.”
  • “Quem mais vive, mais sabe.”
  • “Quem más manhas há, tarde ou nunca as perderá.”
  • “Quem muito lê, treslê.”
  • “Quem nada faz, já muito dorme.”
  • “Quem não faz mais que outro, não vale mais do que outro.”
  • “Quem não quer ser lobo não lhe vista a pele.”
  • “Quem não sabe executar, também não sabe ordenar.”
  • “Quem não sabe falar, não sabe calar.”
  • “Quem não sabe, nem aprende, por asno se vende.”
  • “Quem não tem dinheiro, não tem vícios.”
  • “Quem não tem que fazer, veste-se e despe-se.”
  • “Quem nunca comeu melado, quando come lambuza-se.”
  • “Quem o alheio mal não sente, ninguém terá que o seu lamente.”
  • “Quem o alheio veste, na praça o despe.”
  • “Quem o inimigo poupa, às mãos lhe morre.”
  • “Quem pobreza tem, dos parentes é desdém.”
  • “Quem porfia mata caça.”
  • “Quem quer chegar muito depressa, arrisca-se a ficar manco.”
  • “Quem quer dormir, paga à guarda.”
  • “Quem quer vai, quem não quer manda.”
  • “Quem quis casar, sempre casou. Se não foi com quem quis, foi com quem calhou.”
  • “Quem sabe sorrir, sabe viver.“
  • “Quem se não sente de agravos, não é honrado.”
  • “Quem sai aos seus não é de Genebra.”
  • “Quem se mata, morto fica e, se não morre, entisica.”
  • “Quem se veste de ruim pano, veste-se duas vezes no ano.”
  • “Quem semeia bom grão, terá bom pão.”
  • “Quem serve bem seus pais, não precisa de avós.”
  • “Quem tem esperança sempre alcança.”
  • “Quem tem filhos, tem cadilhos.”
  • “Quem tem medo compra um cão.”
  • “Quem tem sangue, faz chouriços.”
  • “Quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita”
  • “Quem vai à guerra, dá e leva.”
  • “Quem vai, vai, quem está, está.”
  • “Quereis que se diga bem de vós? Não o digais.”
  • “Receia-se menos um bravo em cólera, que um cobarde que dissimula.”
  • “Rei morto, rei posto.”
  • “Respeitai os bens dos outros, se quereis possuir os vossos tranquilamente.”
  • “Riam com quem rir, e chorem com quem chorar.”
  • “S. Miguel e S. João passado, tanto manda o amo como o criado.”
  • “Saber demasiado é envelhecer precocemente.”
  • “Saco cheio não verga.”
  • “Saco vazio não se tem de pé.”
  • “Santos de casa não fazem milagres.”
  • “São mais as vozes que as nozes.”
  • “Sarampo sarampelo sete vezes vem ao pêlo.”
  • “Satisfação de vaidades, não recompensam virtudes.”
  • “Se a rico queres chegar, vai devagar.”
  • “Se bem guardas o que é teu, melhor guardarás o que não for.”
  • “Se Deus não defende a cidade, debalde a vigiam seus guardas.”
  • “Sê em Agosto cuidadoso e aguilhoa o preguiçoso.”
  • “Se fores a pé, chegarás; se choutares, cansarás.”
  • “Se não chover pelo São Mateus, guarda as ovelhas que os borregos não são teus.”
  • “Se não fossem os gonzos, nada valiam as fechaduras.”
  • “Se não queres engordar come e bebe devagar”
  • “Se não tens o que gostas, gosta do que tens.”
  • “Se não vejo pelos meus olhos, vejo pelos meus óculos.”
  • “Se Nossa Senhora das candeias vier a rir, o Inverno está para vir, se a Senhora vier a chorar o Inverno está a acabar.”
  • “Se o amor é tímido, não é verdadeiro.”
  • “Se o cântaro bate na pedra, quem fica mal é o cântaro.”
  • “Se o gato não come o bife, ou o gato não é gato, ou o bife não é bife.”
  • “Se o gosto é mais que o proveito, daí o trato por desfeito.”
  • “Se o sapo canta em Janeiro, guarda a palha no sendeiro.”
  • “Se os filhos de Adão pecaram, os filhos da Covilhã sempre cardaram.”
  • “Se Outubro vier sisudo, recolhe tudo.”
  • “Se queres bom conselheiro, consulta o travesseiro.”
  • “Se queres conhecer o vilão, põe-lhe um pau na mão.”
  • “Se queres enfermar, ceia e vai-te deitar.”
  • “Se tens sardinha, não andes à cata de perú.”
  • “Se queres ver o pobre soberbo, dá-lhe a chave do palheiro.”
  • “Se vieres a ser rico, não te esqueças de que foste pobre.”
  • “Semeia e cria, viverás com alegria.”
  • “Semeia em pó e de mim não tenhas dó.”
  • “Sempre promete em duvida, pois, ao dar, ninguém te ajuda.”
  • “Sem ovos não se fazem omeletas.”
  • “Senhoria de Itália, Dom de Espanha – não valem uma castanha.”
  • “Só a morte não tem remédio.”
  • “Só é pobre, quem se tem por pobre.”
  • “Só se lembra Santa Bárbara quando troveja.”
  • “Só trabalha quem não sabe fazer mais nada.”
  • “Só vemos os argueiros nos olhos dos outros.”
  • “Sol de Fevereiro mata a velhinha ao soalheiro.”
  • “Sol de Janeiro dá que fazer ao coveiro.”
  • “Sol na eira, chuva no nabal.”
  • “Somos galegos, e não nos entendemos.”
  • “Sono de Abril, deixa-o a teu filho dormir.”
  • “Subi devagar, e chegareis sem cansar.”
  • “Também nossa espada corta.”
  • “Tantas vezes vai o cântaro à fonte que lá deixa a asa.”
  • “Todos nascem a chorar, sem que morra alguém a rir.”
  • “Tornai-vos a vosso mister, que só sapateiro heis-de ser.”
  • “Trabalhar para o Bispo.”
  • “Trabalho de menino é pouco, mas quem não o aproveita é louco.”
  • “Tristezas não pagam dívidas.”
  • “Tudo falta, a quem tudo deseja.”
  • “Um doente come pouco, mas gasta muito.”
  • “Um é pouco, dois é bom, três é demais.”
  • “Um espírito sem juízo é um navio sem leme.”
  • “Um homem civil em demasia, é tão insuportável como um homem incivil.”
  • “Uma mão lava a outra e as duas lavam o rosto.”
  • “Uma mulher é sempre uma interrogação.”
  • “Uma mulher rica é um mal insolente.”
  • “Uma ovelha má põe o rebanho a perder.”
  • “Vai a moça ao rio; conta o seu e o do seu vizinho.”
  • “Vai muito do dizer ao fazer.”
  • “Vão-se os anéis fiquem-se os dedos.”
  • “Velhos são os trapos.”
  • “Vêm as glórias, vão-se as memórias.”
  • “Vencer-se a si, é mais que vencer o mundo.”
  • “Verdade, verdade: não há beleza sem bondade.”
  • “Vê-se pela aragem quem vai na carruagem.”
  • “Vinho e amigo o mais antigo.”
  • “Voo de falcão, morte de gavião.”
  • “Voz do povo é voz de Deus.”
  • “Vozes da aldeia, não crer nem em meia; vozes da cidade, a metade da metade.”
  • “Vozes de burro não chegam ao Céu.”
  • “Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades.”
  • “Zé Nabiça, quanto vê quanto cobiça.”
Esta entrada foi publicada em Literatura, Provérbios. ligação permanente.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s